Informe geotécnico 001

 

Informe Geotécnico – Estabilidade de Taludes

 

A análise geotécnica de estabilidade de talude compreende o conhecimento profundo da natureza física dos materiais envolvidos, sejam eles naturais ou antropogênicos.

O conhecimento das características físicas dos materiais envolvidos nas obras e suas propriedades geológico-geotécnicas e, especialmente o comportamento geomecânico dos materiais (mecânica dos solos e das rochas), são fatores determinantes para o estudo e a identificação da condição de estabilidade de taludes e encostas, assim como o provável mecanismo de eventuais rupturas, sejam elas através de superfícies circulares, não circulares, planares, cunhas, tombamentos, rastejo, etc.

Os solos e rochas quando submetidos às modificações do estado de tensões devido aos cortes e aterros ou mesmo devido às sobrecargas e saturação por água, apresentam modificações de comportamento cuja previsibilidade faz parte do objetivo das análises geotécnicas de estabilidade dos taludes.

A norma ABNT NBR 11.682:2009 (Estabilidade de Encostas) estabelece os critérios a serem seguidos para uma análise de estabilidade consistente, quanto ao fator de segurança FS mínimo a ser adotado e correspondente à dimensão do risco envolvido.

No caso de ocorrer situação não satisfatória do fator de segurança é necessário adequar o cenário desfavorável, através de medidas compensatórias aplicando-se tratamentos geotécnicos.

As soluções de tratamento geotécnico de estabilização são diversificadas e devem ser apropriadas a cada caso, variando desde muro de gravidade até contenções do tipo cortina atirantada.

A escolha do tipo de solução faz parte dos trabalhos de projeto geotécnico em que se identifica o tipo mais adequado a cada caso, levando em consideração fatores como custos e prazos.

Além disto, os projetos devem ser elaborados tendo como diretriz a norma brasileira ABNT NBR 8044:2018 (Projeto Geotécnico – Procedimento).

Voltar